Casos de Sucesso

28 junho, 2019 • Casos de Sucesso

Gráfica Pex: 25 anos de inovação e bom atendimento

Não é de hoje que se fala sobre a importância do pioneirismo no mundo empresarial. Empresas pioneiras se destacam por inovar, criar novas oportunidades e, claro, correr riscos. Mas só ser a primeira não é garantia de nada. É preciso continuar investindo: em atendimento, em produtos, em serviços, nos funcionários…

João Luiz Guerra sabe muito bem disso. O nome à frente da Gráfica Pex conta com orgulho sua trajetória, marcada por decisões ousadas, organização, planejamento e muita humanidade.

Foto: Reprodução

Natural do Rio de Janeiro (RJ) e formado em Administração de Empresas, Guerra teve uma longa experiência no mercado gráfico trabalhando em uma multinacional. No início da década de 1980, foi desligado da empresa, mesmo período em que surgiu uma oportunidade de abrir uma gráfica offset em Campo Grande (MS) com alguns sócios.

Entre a compra das partes dos outros sócios, um incêndio na gráfica e os desafios dos difíceis anos 1990, Guerra visitou uma feira em São Paulo (SP), onde conheceu os avanços do mundo digital e os conceitos de gráfica rápida. Assim, em 1994, nasceu a Gráfica Pex, a primeira gráfica rápida de Mato Grosso do Sul. Era só uma portinha na Rua Antônio Maria Coelho, em frente ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, com uma equipe de apenas cinco pessoas: Guerra, a esposa, a filha e dois ajudantes. Um deles, Diego Cesco, continua na empresa até hoje e tornou-se Gerente.

“Quase não existia gráfica rápida no Brasil, depois que abrimos, surgiram outras, é um movimento natural do mercado, mas ainda assim era algo muito novo. É muito difícil as pessoas acharem que precisam de algo que elas nem sabem que existe, então foi um período complicado, de fazer as pessoas entenderem as possibilidades de soluções que o serviço trazia. Outro fator era a dificuldade de encontrar mão de obra também”, relembra Guerra.

Foto: Reprodução

Desde o começo, a Pex contou com o apoio do Sebrae/MS para trilhar os melhores caminhos. Depois de cinco anos em atividade, mais estabelecida no mercado, a gráfica precisava mudar para um espaço maior e foi uma consultoria do Sebrae/MS, que fazia pesquisas e estudos sobre localização, que ajudou a escolher a esquina da Rua Antônio Maria Coelho com a Arthur Jorge como novo ponto da Pex, onde funcionou por 17 anos.

Essas quase duas décadas foram marcadas por grandes transformações de comportamento dos clientes, que acompanharam as transformações tecnológicas. “No início, a demanda era mais por cópia que por impressão, quando todas as casas tinham computador, as pessoas íam mais para imprimir e encadernar, mas, logo na sequência, todo mundo tinha impressora em casa também. Só não foi um período crítico porque as agências de publicidade começaram a descobrir que, com a gráfica rápida, dava para fazer o boneco de uma revista antes de lançar oficialmente ou um modelo do folder antes de imprimir cinco mil deles”, conta Guerra.

Foto: Reprodução

Foi nesse período também que a Pex começou a se preocupar ainda mais com o atendimento. Já com cerca de 10 pessoas na equipe, investiu em treinamentos constantes, que continuam até hoje. “Me lembro de ter visto uma pesquisa do Sebrae que falava que 71% dos clientes a gente perde por mau atendimento. Aquilo me chamou muita atenção, criamos uma cultura de treinamento e até hoje o bom atendimento é o grande diferencial da Pex. Essa é uma herança do Sebrae”, afirma.

Nova casa, novo momento

Depois de mexer várias vezes no layout da loja para tentar diminuir as filas e o tempo de espera, Guerra chegou à conclusão que o espaço onde estavam já não era mais suficiente Deu início, então, à construção do espaço próprio, na Avenida Mato Grosso, também esquina com a Arthur Jorge, onde a empresa funciona desde 2011. “Tínhamos medo de mudar e foi a primeira vez que a gente fez de fato uma grande campanha de marketing. Foi uma boa mudança, com mais espaço, pudemos contratar gente nova, aumentar o mix de produtos, oferecer estacionamento. Outro pequeno salto foi instalar a parte offset aqui dentro”, afirma.

Foto: Reprodução

Completando 25 anos de mercado em 2019, a Gráfica Pex faz parte de gerações de famílias campo-grandenses, emprega cerca de 50 funcionários – de todas as faixas etárias, inclusive acima de 60 – e tornou-se referência para empresários do país inteiro, que visitam a gráfica porque sonham em abrir um negócio igual. Empretec, Missões Técnicas e projeto ALI também fizeram parte dessa trajetória.

Foto: Reprodução

“Há 25 anos, não imaginava o que a empresa viraria. Muito pelo contrário, tivemos tanta dificuldade que só nos preocupávamos em sobreviver a mais um mês. Hoje, temos certeza de que a Pex gerou um impacto enorme no mercado gráfico sul-mato-grossense, ao trazer uma nova tecnologia, e na geração de emprego, ao investir no treinamento técnico e emocional dos colaboradores”, declara. 

Voz da experiência

Dono de uma energia invejável, aos 72 anos, Guerra não pensa em aposentar tão cedo. Para quem está começando ou até tem um tempo de mercado, mas se sente meio perdido, Guerra compartilha algumas dicas:

Foto: Reprodução
  1. Não caia na tentação de misturar as contas: dinheiro da empresa é da empresa, o lucro tem que ser reinvestido na própria empresa;
  2. Ofereça novos produtos/serviços: a Pex começou com cópias e impressões simples, hoje faz de convites a decoração e enxoval de festas, tudo personalizado;
  3. O sucesso é dos funcionários: respeite as pessoas que trabalham para e com você, você não pode esperar que alguém que é mal-tratado atenda o seu cliente bem;
  4. Invista: consultorias pagas saem mais baratas do que arriscar e arcar com o prejuízo.

Não é de hoje que se fala sobre a importância do pioneirismo no mundo empresarial. Empresas pioneiras se destacam por inovar, criar novas oportunidades e, claro, correr riscos. Mas só ser a primeira não é garantia de nada. É preciso continuar investindo: em atendimento, em produtos, em serviços, nos funcionários…

João Luiz Guerra sabe muito bem disso. O nome à frente da Gráfica Pex conta com orgulho sua trajetória, marcada por decisões ousadas, organização, planejamento e muita humanidade.

Foto: Reprodução

Natural do Rio de Janeiro (RJ) e formado em Administração de Empresas, Guerra teve uma longa experiência no mercado gráfico trabalhando em uma multinacional. No início da década de 1980, foi desligado da empresa, mesmo período em que surgiu uma oportunidade de abrir uma gráfica offset em Campo Grande (MS) com alguns sócios.

Entre a compra das partes dos outros sócios, um incêndio na gráfica e os desafios dos difíceis anos 1990, Guerra visitou uma feira em São Paulo (SP), onde conheceu os avanços do mundo digital e os conceitos de gráfica rápida. Assim, em 1994, nasceu a Gráfica Pex, a primeira gráfica rápida de Mato Grosso do Sul. Era só uma portinha na Rua Antônio Maria Coelho, em frente ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, com uma equipe de apenas cinco pessoas: Guerra, a esposa, a filha e dois ajudantes. Um deles, Diego Cesco, continua na empresa até hoje e tornou-se Gerente.

“Quase não existia gráfica rápida no Brasil, depois que abrimos, surgiram outras, é um movimento natural do mercado, mas ainda assim era algo muito novo. É muito difícil as pessoas acharem que precisam de algo que elas nem sabem que existe, então foi um período complicado, de fazer as pessoas entenderem as possibilidades de soluções que o serviço trazia. Outro fator era a dificuldade de encontrar mão de obra também”, relembra Guerra.

Foto: Reprodução

Desde o começo, a Pex contou com o apoio do Sebrae/MS para trilhar os melhores caminhos. Depois de cinco anos em atividade, mais estabelecida no mercado, a gráfica precisava mudar para um espaço maior e foi uma consultoria do Sebrae/MS, que fazia pesquisas e estudos sobre localização, que ajudou a escolher a esquina da Rua Antônio Maria Coelho com a Arthur Jorge como novo ponto da Pex, onde funcionou por 17 anos.

Essas quase duas décadas foram marcadas por grandes transformações de comportamento dos clientes, que acompanharam as transformações tecnológicas. “No início, a demanda era mais por cópia que por impressão, quando todas as casas tinham computador, as pessoas íam mais para imprimir e encadernar, mas, logo na sequência, todo mundo tinha impressora em casa também. Só não foi um período crítico porque as agências de publicidade começaram a descobrir que, com a gráfica rápida, dava para fazer o boneco de uma revista antes de lançar oficialmente ou um modelo do folder antes de imprimir cinco mil deles”, conta Guerra.

Foto: Reprodução

Foi nesse período também que a Pex começou a se preocupar ainda mais com o atendimento. Já com cerca de 10 pessoas na equipe, investiu em treinamentos constantes, que continuam até hoje. “Me lembro de ter visto uma pesquisa do Sebrae que falava que 71% dos clientes a gente perde por mau atendimento. Aquilo me chamou muita atenção, criamos uma cultura de treinamento e até hoje o bom atendimento é o grande diferencial da Pex. Essa é uma herança do Sebrae”, afirma.

Nova casa, novo momento

Depois de mexer várias vezes no layout da loja para tentar diminuir as filas e o tempo de espera, Guerra chegou à conclusão que o espaço onde estavam já não era mais suficiente Deu início, então, à construção do espaço próprio, na Avenida Mato Grosso, também esquina com a Arthur Jorge, onde a empresa funciona desde 2011. “Tínhamos medo de mudar e foi a primeira vez que a gente fez de fato uma grande campanha de marketing. Foi uma boa mudança, com mais espaço, pudemos contratar gente nova, aumentar o mix de produtos, oferecer estacionamento. Outro pequeno salto foi instalar a parte offset aqui dentro”, afirma.

Foto: Reprodução

Completando 25 anos de mercado em 2019, a Gráfica Pex faz parte de gerações de famílias campo-grandenses, emprega cerca de 50 funcionários – de todas as faixas etárias, inclusive acima de 60 – e tornou-se referência para empresários do país inteiro, que visitam a gráfica porque sonham em abrir um negócio igual. Empretec, Missões Técnicas e projeto ALI também fizeram parte dessa trajetória.

Foto: Reprodução

“Há 25 anos, não imaginava o que a empresa viraria. Muito pelo contrário, tivemos tanta dificuldade que só nos preocupávamos em sobreviver a mais um mês. Hoje, temos certeza de que a Pex gerou um impacto enorme no mercado gráfico sul-mato-grossense, ao trazer uma nova tecnologia, e na geração de emprego, ao investir no treinamento técnico e emocional dos colaboradores”, declara. 

Voz da experiência

Dono de uma energia invejável, aos 72 anos, Guerra não pensa em aposentar tão cedo. Para quem está começando ou até tem um tempo de mercado, mas se sente meio perdido, Guerra compartilha algumas dicas:

Foto: Reprodução
  1. Não caia na tentação de misturar as contas: dinheiro da empresa é da empresa, o lucro tem que ser reinvestido na própria empresa;
  2. Ofereça novos produtos/serviços: a Pex começou com cópias e impressões simples, hoje faz de convites a decoração e enxoval de festas, tudo personalizado;
  3. O sucesso é dos funcionários: respeite as pessoas que trabalham para e com você, você não pode esperar que alguém que é mal-tratado atenda o seu cliente bem;
  4. Invista: consultorias pagas saem mais baratas do que arriscar e arcar com o prejuízo.

Continuar Lendo

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.









Deixe seu Comentário