Casos de Sucesso

Venda on-line salva pequeno varejo da crise

Texto enviado pela colaboradora Lucielle Lima (Sebrae/MS)

A PortCasa, uma das únicas varejistas de cama, mesa, banho e utilidades domésticas do bairro do Bom Retiro, região central de São Paulo, estaria pronta para registrar prejuízo em 2009. A loja viu sua clientela rarear nos primeiros quatro meses deste ano, como reflexo da crise. A visita das sacoleiras e consumidoras, que fazem compras nas tradicionais confecções do bairro, tornaram-se mais escassas.

As metas do ano precisaram ser revistas para baixo – mas só na loja física. Graças à insistência de Natan Sztamfater, sócio do pai na PortCasa, a empresa começou a vender pela internet quatro meses depois da inauguração da loja, em outubro de 2007. “Hoje o meu pai me agradece por termos começado a venda on-line”, diz Natan, de 28 anos.

Enquanto o movimento na loja de rua desacelerou, o comércio da PortCasa na web disparou e praticamente empatou com a operação física. Só nos primeiros quatro meses de 2009, foram vendidos R$ 2 milhões pelo e-commerce, contra R$ 2,1 milhões da loja de rua.
Assim como a PortCasa, outros pequenos e médios varejistas estão salvando suas vendas e até aumentando o faturamento total graças às vendas on-line. Diferentemente das grandes redes, esses comerciantes têm só um ou poucos pontos de venda, que ficam reféns do movimento do bairro. “Ao investir em uma operação on-line, os pequenos e médios conseguem uma abrangência muito maior de público e podem fazer frente aos grandes varejistas”, diz o consultor Eugênio Foganholo, da Mixxer.
De fato, lojas virtuais de menor porte vêm avançando sobre a participação das grandes. De acordo com a e-Bit, especializada em pesquisas de e-commerce, a fatia dos 10 maiores varejistas da internet nas vendas totais caiu de 77% no primeiro trimestre de 2008 para 73% de janeiro a março deste ano. A participação da líder B2W (dona da Americanas.com e do Submarino) caiu de 42,7% para 36,3%. Ao todo, o e-commerce movimentou R$ 2,2 bilhões no primeiro trimestre, 25% mais que há um ano.
“Há uma forte tendência de descentralização do e-commerce, com o crescimento dos pequenos e médios varejistas no bolo”, diz Pedro Guasti, diretor geral da e-Bit. Para isso, acrescenta ele, é fundamental que a operação on-line esteja azeitada em três frentes: tecnologia e logística, foco em determinadas categorias e presença em sites de busca e comparação de preço, que garantam visibilidade.
Este último cuidado faz toda a diferença, principalmente em tempos de crise. “Em 2005, 24% das compras on-line aconteciam a partir de sites de comparação de preço; no ano passado, esse percentual chegou a 34%”, afirma Guasti.
Quem também está certo de que a internet é capaz de atrair muito mais consumidores do que qualquer loja é Clóvis Souza, dono da Giuliana Flores. Criada há 19 anos em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, onde conta com três lojas físicas, a empresa deu início há nove anos à operação on-line. Na web, mantém três marcas: Giuliana Flores, Cestas Michelli e Nova Flor. “Eu fico até com dor no coração de dizer, mas as três lojas físicas faturaram no ano passado só um décimo da operação virtual, que me rendeu uma receita de R$ 12 milhões”, diz Souza.
No Dia das Mães, as vendas nas lojas de rua de Souza caíram 8%, enquanto na web subiram 34%. Por isso, ele foca a expansão na internet, canal em que espera crescer 25% em 2009, inclusive com clientes do exterior. “Faço campanha no canal América, da Globo nos Estados Unidos, e os brasileiros de lá fazem encomendas on-line (para serem entregues aqui)”, diz.

Fonte: Valor Econômico
Texto empresas Globo.


Texto enviado pela colaboradora Lucielle Lima (Sebrae/MS)

A PortCasa, uma das únicas varejistas de cama, mesa, banho e utilidades domésticas do bairro do Bom Retiro, região central de São Paulo, estaria pronta para registrar prejuízo em 2009. A loja viu sua clientela rarear nos primeiros quatro meses deste ano, como reflexo da crise. A visita das sacoleiras e consumidoras, que fazem compras nas tradicionais confecções do bairro, tornaram-se mais escassas.

As metas do ano precisaram ser revistas para baixo – mas só na loja física. Graças à insistência de Natan Sztamfater, sócio do pai na PortCasa, a empresa começou a vender pela internet quatro meses depois da inauguração da loja, em outubro de 2007. “Hoje o meu pai me agradece por termos começado a venda on-line”, diz Natan, de 28 anos.

Enquanto o movimento na loja de rua desacelerou, o comércio da PortCasa na web disparou e praticamente empatou com a operação física. Só nos primeiros quatro meses de 2009, foram vendidos R$ 2 milhões pelo e-commerce, contra R$ 2,1 milhões da loja de rua.
Assim como a PortCasa, outros pequenos e médios varejistas estão salvando suas vendas e até aumentando o faturamento total graças às vendas on-line. Diferentemente das grandes redes, esses comerciantes têm só um ou poucos pontos de venda, que ficam reféns do movimento do bairro. “Ao investir em uma operação on-line, os pequenos e médios conseguem uma abrangência muito maior de público e podem fazer frente aos grandes varejistas”, diz o consultor Eugênio Foganholo, da Mixxer.
De fato, lojas virtuais de menor porte vêm avançando sobre a participação das grandes. De acordo com a e-Bit, especializada em pesquisas de e-commerce, a fatia dos 10 maiores varejistas da internet nas vendas totais caiu de 77% no primeiro trimestre de 2008 para 73% de janeiro a março deste ano. A participação da líder B2W (dona da Americanas.com e do Submarino) caiu de 42,7% para 36,3%. Ao todo, o e-commerce movimentou R$ 2,2 bilhões no primeiro trimestre, 25% mais que há um ano.
“Há uma forte tendência de descentralização do e-commerce, com o crescimento dos pequenos e médios varejistas no bolo”, diz Pedro Guasti, diretor geral da e-Bit. Para isso, acrescenta ele, é fundamental que a operação on-line esteja azeitada em três frentes: tecnologia e logística, foco em determinadas categorias e presença em sites de busca e comparação de preço, que garantam visibilidade.
Este último cuidado faz toda a diferença, principalmente em tempos de crise. “Em 2005, 24% das compras on-line aconteciam a partir de sites de comparação de preço; no ano passado, esse percentual chegou a 34%”, afirma Guasti.
Quem também está certo de que a internet é capaz de atrair muito mais consumidores do que qualquer loja é Clóvis Souza, dono da Giuliana Flores. Criada há 19 anos em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, onde conta com três lojas físicas, a empresa deu início há nove anos à operação on-line. Na web, mantém três marcas: Giuliana Flores, Cestas Michelli e Nova Flor. “Eu fico até com dor no coração de dizer, mas as três lojas físicas faturaram no ano passado só um décimo da operação virtual, que me rendeu uma receita de R$ 12 milhões”, diz Souza.
No Dia das Mães, as vendas nas lojas de rua de Souza caíram 8%, enquanto na web subiram 34%. Por isso, ele foca a expansão na internet, canal em que espera crescer 25% em 2009, inclusive com clientes do exterior. “Faço campanha no canal América, da Globo nos Estados Unidos, e os brasileiros de lá fazem encomendas on-line (para serem entregues aqui)”, diz.

Fonte: Valor Econômico
Texto empresas Globo.



Continuar Lendo

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.







Comentários

  1. Lis disse:

    A internet está ai ligando o mundo todo, e lógico que mais cedo ou mais tarde o e-commerce tomaria seu lugar no comércio.
    As empresas, que hoje em dia não se atualizarem e se colocarem em ritmo com o seu tempo e às novas tecnologias só têm a perder e futuramente sumir do mercado , que hoje em dia não possui mais nenhuma fatia para àqueles que continuam com pensamentos conservadores e atrasados.
    O e-commerce está ai …e para aqueles que o souberem aproveitar, como no texto mesmo diz, com pesquisas e da melhor maneira, será uma grande ferramenta no aumento de vendas e consequentemente no ganho de dinheiro!
    Parabéns pelo assunto.

  2. Ricardo disse:

    a internet esta ai de portas abertas pra quem tiver boas ideias e quiser ganhar dinheiro, esta e mais uma grande ideia que deu certo, quem nao tem a empresa integrada com a internet realmente esta ficando muito para tras e perdendo de ganhar um bom dinheiro. Bom ter tocado neste assunto.




Deixe seu Comentário