Dicas de Empreendedorismo

24 fevereiro, 2018 • Dicas de Empreendedorismo

7 filmes infantis e suas lições de vida

Grande aliado da educação, o cinema ajuda a perceber na prática como as ideias podem se transformar em ação. No universo infantil, as animações são a principal opção e, em alguns casos, oferecem lições valiosas sobre empreendedorismo e sobre a vida.

Como é bastante comum que os adultos também sejam atraídos pelos desenhos, a diversão pode se tornar uma oportunidade para a família se reunir, pensar e discutir temas importantes que afetarão o futuro de todos. Pensando nisso, o Sebrae preparou uma lista com algumas produções que podem nos ensinar muito. Confira:

Operação Big Hero

A tecnologia tornou-se central à vida de todos e, em algumas escolas, conteúdos como Robótica e Programação já se tornaram tão comuns quanto disciplinas como Português e Matemática. Por isso, a identificação com essa animação é grande. Na cidade de San Fransokyo, o jovem Hiro Hamada é um pequeno inventor de 13 anos. Seu irmão Tadashi o leva para o laboratório em que trabalha, onde Hiro conhece outros inventores. No entanto, uma tragédia acaba fazendo com que sua trajetória tome novos rumos. O filme pode ser uma boa maneira de fazer com que crianças e adolescentes se interessem pelo mundo da ciência e da engenharia.

FormiguinhaZ

Lançado há uma década, essa animação foi sucesso de bilheteria e inaugurou o estúdio Dreamworks Animation (responsável por sucessos como Shrek e Madagascar). Z é uma formiga operária, que trabalha no Central Park, em Nova York. Frustrada com seu trabalho, decide trocar de função com seu amigo Weaver, um soldado. Em uma batalha contra cupins, todos os soldados morrem e apenas Z volta para a casa. Assim começa a história dessa pequena formiga, interpretada de maneira brilhante pelo ator e diretor Woody Allen. A lição que a história deixa trata da necessidade de fazer escolhas e não se acostumar com facilidade a situações que não lhe agradam.

Vidas ao Vento

Hayao Miyazaki é um dos grandes nomes das animações no Japão. Um dos fundadores do Studio Ghibli, tornou-se inspiração para grandes estúdios como a Pixar. O longa de 2013 conta a história Jiro Horikoshi, um jovem engenheiro que não consegue equilibrar a vida profissional e pessoal. Apaixonado por Naoko, uma jovem que sofre com tuberculose, ele acaba tão absorto no trabalho de projetar um avião que será usado na guerra que não vê o distanciamento que se criou entre os dois. Contada de maneira leve, a história discute questões como a importância de se nutrir relacionamentos com as pessoas que importam e a necessidade de encontrar equilíbrio na vida.

O Mágico

Quando o rock n’roll passa a dominar o cenário do entretenimento cultural,  um velho mágico passa a se considerar obsoleto e teme que seu ofício artístico deixe de existir. Isso o leva para a Escócia, onde ainda é capaz de encontrar público para suas ilusões, que envolvem números clássicos como fazer objetos desaparecem e tirar coelhos de dentro da cartola. A jornada deste melancólico herói demonstra a importância de saber se reinventar e não desanimar nos momentos de dificuldade. Baseado em um roteiro original de Jacques Tati, adaptado pelo diretor Sylvain Chomet, essa animação francesa de 2010 é um deleite visual, que apresenta um ritmo peculiar e envolvente.

O Menino e o Mundo

Uma das animações brasileiras que obtiveram mais sucesso mundial, o longa-metragem de Alê Abreu é uma crônica bem interessante sobre um Brasil bastante real. Sem palavra alguma, a história acompanha uma criança, moradora de um cenário rural, cujo pai parte para a cidade grande em busca de trabalho. Aos poucos e de forma lúdica, o filme apresenta os contrastes do mundo contemporâneo e parte para a crítica essencial das relações que passam pela exploração dos agricultores, a falência das fábricas, a tristeza dos tecelões, a precariedade dos artistas de rua, entre outros problemas sociais. Com foco na descoberta de um novo mundo, o que o filme ensina é a necessidade de não normatizar o abismo social que se criou nos grandes centros e o embrutecimento da vida adulta. A criatividade visual contrasta com a mensagem, por vezes, melancólica, mas que não abandona a esperança de algo melhor.

Zootopia: essa cidade é o bicho

Uma fábula no sentido mais estrito do termo, essa animação da Disney Animation Studios apresenta uma cidade repleta de animais que vivem segundo regras de convivência, ocupando seus bairros-habitat. A protagonista Judy entra para a Polícia, mas não consegue ir além do cargo de guarda de trânsito por ser uma coelha e, assim, o filme abre seu leque de discussões que tratam de preconceito, corrupção, violência e outros problemas enfrentados em cidades mundo afora. Com determinação, ela consegue investigar um grande caso, mas percebe que a sociedade é muito mais complexa do que se imagina. O longa de 2016 é uma metáfora interessante, que pode suscitar discussões frutíferas entre os mais jovens e os mais velhos.

Persépolis

Baseado na autobiografia de Marjane Satrapi, a animação conta a história de uma jovem que precisa fugir de seu país depois dos acontecimentos da Revolução Iraniana, na qual o tio foi cruelmente executado. Indo estudar na Áustria, ela se depara com um mundo que a vê como símbolo do fundamentalismo religioso do qual tentara escapar. Ao completar 22 anos, ela retorna a seu país, mas percebe que não conseguiria viver lá, e escolhe a França como lar. A história de adaptação e enfrentamento de Marjane é uma verdadeira lição, que merece ser vista por todos aqueles que sabem que o cinema de animação conta com obras tão importantes quanto quaisquer outros gêneros. Lançado em 2007, o longa recebeu o Prêmio do Júri no Festival de Cannes, entre outros.









Deixe seu Comentário