Inovação

05 dezembro, 2018 • Inovação

Ecossistemas de inovação: desenvolvimento e autossuficiência

Hora de voltar pro banco da escola: você se lembra o que é um ecossistema? Fica tranquilo que a gente te ajuda a lembrar: o ecossistema é o nome dado a um determinado conjunto de comunidades, que vivem em um determinado local e que interagem entre si e com o meio ambiente ao seu redor, constituindo um sistema estável, equilibrado e autossuficiente.

Refrescou a memória? Pois saiba que existe um termo no empreendedorismo e que tem tudo a ver com esse conceito que aprendemos nas aulas de Biologia, no que diz respeito ao desenvolvimento: é o ecossistema de inovação.

A gente pode dizer que um ecossistema de inovação é um ambiente onde estão presentes empresas, empreendedores e agentes que podem atuar de forma harmônica e colaborativa. “Pequenas e grandes empresas já perceberam, há algum tempo, que  ambientes colaborativos estimulam melhores resultados. Estas empresas se esforçam para ter equipes com múltiplas habilidades e capacidade de cooperar com o ambiente interno e externo. Essa interação também vale para o relacionamento entre diferentes empresas. Quando cada uma delas tem habilidades diferentes, mas complementares, as chances de que todas cresçam juntas aumenta. É este ambiente que chamamos de Ecossistema de Inovação”, explica Márcio de Araújo Pereira, diretor-presidente pelo Conselho Superior da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado do Mato Grosso do Sul ).

Um dos ecossistemas de inovação mais conhecidos do mundo é o Vale do Silício, na Califórnia. Segundo o MIT (Massachusetts Institute of Technology), das 50 empresas mais inovadoras e eficazes do mundo, 18 estão lá, como a Apple, a Udacity e a Tesla.

Em MS

Mas não é preciso ir tão longe para ver exemplos de ecossistemas de inovação. Em Mato Grosso do Sul, Márcio cita o Living Lab. “Ele serve como aceleradora de empresas das mais diversas áreas. A Fundect está presente neste espaço com dois bolsistas que têm como objetivo orientar e acompanhar as ações destas empresas”, aponta.

Para que ecossistemas de inovação funcionem de maneira efetiva, é necessário que existam empresas e organizações que apoiem os empreendedores, de modo que eles possam inovar em seus negócios, transformando novas ideias em resultados: “Atualmente, os mercados estão cada vez mais competitivos por conta do aumento da concorrência, dos altos níveis de incerteza em relação ao futuro, do aumento da produtividade e da maior exigência do cliente. Para se diferenciarem no mercado, as empresas precisam buscar a inovação.”

O que os ecossistemas de inovação proporcionam:

  1. Troca de experiências: com ele fica mais fácil trocar ideias, aprender com os erros dos outros, observar e acompanhar processos de perto e contribuir de forma mútua.
  2. Networking: em um ecossistema de inovação que funciona de maneira efetiva, os atores e as empresas que fazem parte dele conseguem trabalhar o networking de forma mais ativa, uma vez que é possível conhecer melhor e confiar nos trabalhos uns dos outros.
  3. Trabalhadores jovens: um grande desafio de empresas de tecnologia, por exemplo, é buscar novos talentos. O fato de uma empresa fazer parte de um ecossistema de inovação chama a atenção de profissionais mais jovens, o que ajuda também a fortalecer o ciclo de trabalho.
  4. Ajuda a comunidade: um parque tecnológico, por exemplo, constitui um ecossistema de inovação. À medida que ele se consolida, ele passa a fazer bem à comunidade, trazendo desenvolvimento e, ao mesmo tempo, criando uma relação de confiança com ela.

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.









Deixe seu Comentário