Dicas de Empreendedorismo

06 julho, 2018 • Dicas de Empreendedorismo

O cooperativismo e a força do trabalho

Cooperativas são organizações de pessoas que se baseiam em valores de ajuda mútua e responsabilidade, democracia, igualdade, equidade e solidariedade. Seus objetivos econômicos e sociais são comuns a todos e seus associados acreditam nos valores éticos da honestidade, transparência, responsabilidade social e preocupação pelo seu semelhante.

A Organização das Nações Unidas aponta que, no mundo todo, a cada sete pessoas, uma é associada a alguma cooperativa. No Brasil, existem quase 7 mil cooperativas, nos mais diferentes setores da economia, com 13 milhões de cooperados e 350 mil empregados.

Em nosso Estado, o Sistema OCB/MS (Organização das Cooperativas Brasileiras, em Mato Grosso do Sul) é o órgão de representação das cooperativas locais. Seu objetivo é promover e desenvolver o cooperativismo, bem como prestar serviços adequados ao pleno desenvolvimento das sociedades cooperativistas e de seus integrantes. “Trabalhamos para promover um ambiente favorável para o desenvolvimento das cooperativas sul-mato-grossenses, por meio da representação político-institucional”, explica Celso Ramos Régis, presidente da OCB/MS.

Por aqui atualmente existem 105 cooperativas registradas no Sistema OCB/MS, com grande expressão nos setores de saúde, infraestrutura, trabalho, transporte, agronegócios e crédito. São aproximadamente 200 mil cooperados e mais de 7 mil pessoas empregadas, representando 10% do PIB Estadual.

A cada ano, mais pessoas descobrem o cooperativismo como modelo de negócio ideal para conquistar objetivos comuns em prol da sociedade e é uma atividade que traz muitas vantagens. “Quando reunidos em uma cooperativa, os cooperados não apenas reduzem custos, mas também ganham mais poder de negociação, uma vez que podem adquirir bens e serviços de forma coletiva, negociar em grupo o seu produto ou organizar seus serviços para se inserir e competir no mercado. Sem contar que toda riqueza gerada fica na comunidade, pois é distribuída entre os associados, o que contribui para o desenvolvimento local”, afirma Régis.

Como parte do Sistema OCB/MS os cooperados têm ainda muitos pontos positivos. A associação oferece uma série de serviços, como representação e defesa política e econômica, representação e defesa sindical, registro e filiação, monitoramento, formação profissional, promoção social e consultoria jurídica e contábil.

No campo 

O cooperativismo tem um importante papel na economia brasileira, sendo responsável por quase 50% do PIB agrícola. Dentre todos os ramos de atuação da prática, o seu maior destaque está no setor agropecuário.

Pertinho de Campo Grande, na cidade de Terenos, existe a Cooplaf (Cooperativa Agrícola Mista da Pecuária Leiteira e de Corte e da Agricultura Familiar). Desde 2014, ela une as forças de 400 produtores dos assentamentos da região e tem como foco principal a comercialização da produção de seus cooperados. “Com a cooperativa, muita coisa mudou para os produtores, principalmente em relação à organização da produção. Entendemos que o produtor deve se dedicar apenas em produzir e a cooperativa cuida da parte da logística e comercialização dos produtos”, explica a agricultora familiar Carlinda Rezende, presidente da Cooplaf.

Para ela, a maior conquista para os cooperados é conseguir mostrar para a sociedade e para o mercado que a agricultura familiar sabe produzir com qualidade. Antes havia, segundo Carlinda, uma certa resistência do mercado, pois os compradores acreditavam que a agricultura familiar trabalhava de maneira sazonal e que certos produtos só estariam disponíveis no período de safra, o que significava um obstáculo na hora da compra. Porém, com a colaboração e a assistência técnica do Sebrae/MS e do Senar, a produção hoje é capaz de continuar durante o ano todo. Isso abriu portas para os produtores de Terenos.

Trabalhar em um sistema de cooperativa foi um divisor de águas para a história dos produtores da região. Além disso, Carlinda afirma que a qualidade de vida e o desenvolvimento social desses trabalhadores também melhorou muito, principalmente para quem acreditou no papel da cooperativa e esteve disposto a aceitar as mudanças, participando dos cursos de capacitação, por exemplo. “Trabalhar no sistema de cooperativa é unir forças para que juntos todos possam se tornar maiores. Dentro do cooperativismo quem é pequeno torna-se grande, graças à força da união”, finaliza Carlinda.









Deixe seu Comentário