Inovação e Tecnologia

18 setembro, 2020 • Inovação e Tecnologia

Atitudes essenciais para ter inovação no seu negócio

Não é à toa que esse termo tem ganhado cada vez mais relevância no nosso dia a dia como tema de palestras, workshops e cursos. Hoje, para garantir a sobrevivência da sua empresa em um mercado totalmente competitivo, investir apenas em conhecimentos técnicos sobre gestão não é mais o suficiente — é preciso também inovação.

Com isso, surgem as dúvidas: ainda existem espaços para criar algo diferente das milhares de ideias já disponíveis? Será que tenho o “perfil” necessário para solucionar as demandas do meu público com criatividade? Já adiantamos que a resposta é “sim” para ambas as perguntas e, para facilitar, listamos três principais atitudes que você deve ter para ser mais inovador. Confira:

1. Entender quem você é

Apesar de parecer clichê, o primeiro passo na busca pela inovação é o autoconhecimento. Para Lais Glück, designer de produtos e sócia-fundadora da Glück, ser uma pessoa inovadora é ser alguém aberto, seguro, consciente da própria singularidade (com seus pontos fortes e falhos) e disposto a compreender um problema como oportunidade de transformação.

“Quando você chega nesse estado de não julgamento em relação ao seu indivíduo, à sua individualidade, aí sim você vai conseguir olhar para um sistema da mesma forma, com o estado de querer enxergar a solução e não as causas ou culpas em relação a isso. O autoconhecimento é muito importante. Você ter a habilidade de lidar com a vulnerabilidade, e não se sentir menor ou frágil por lidar com ela, vai ser a chave para conseguir ter uma prática inovadora”, explica.

E engana-se quem pensa que ser inovador é algo exclusivo para poucos. A analista do Sebrae Ana Carla de Oliveira defende o princípio de que somos todos criativos e potencialmente inovadores. “A gente está em vida o sentido da vida é ser humano e manter nossa própria vida, conforme conceito de autopoiese cunhado por Humberto Maturana e Francisco Varela, para designar a capacidade dos indivíduos de produzirem de modo contínuo a si próprios. É claro que existem, sim, pessoas mais criativas e mais inovadoras, mas todos nós podemos ser criativos e inovadores pela nossa essência”.

Lais também acredita que um dos motivos que levam os indivíduos a imaginarem nisso é que, muitas vezes, a inovação é associada apenas a ideias grandiosas. “A palavra ‘inovação’ te coloca numa armadilha em que você acaba ficando refém de algo incrível que você vai gerar. Se você espera ser o próximo Jeff Bezos ou o próximo Steve Jobs, já começa errado. Porque se você espera ser algum desses caras, eles já existiram, então você não vai estar inovando. Você tem que querer ser você mesmo”.

2. Saber identificar (e resolver) problemas

Geralmente a inovação acontece com a resolução de problemas. Sendo assim, analise as dores do seu público consumidor e tente propor soluções criativas para saná-las. Como? Associando informações e experiências.

“Todo conhecimento que você adquire aumenta a sua capacidade de conectar diferentes conceitos e gerar novas ideias”, explica Ana Carla. Quando você amplia esse conhecimento, aprofundando aquilo que é mais importante pode surgir um novo olhar e ação para a solução de problemas que você ainda não havia imaginado”.

Buscar novas referências para ter inspirações constantemente é uma das formas mais eficientes de se formar essas ligações. “A gente precisa ampliar o repertório daquilo que vê, daquilo que faz. Ler bons livros, assistir filmes bacanas, estar em contato com a natureza, fazer cursos e atividades diferentes do que se está habituado, refletir durante um tempo sem fazer nada. São nesses momentos que vêm os insights”, recomenda a analista.

3. Colocar suas ideias em prática

Por último, ter um comportamento inovador requer curiosidade e coragem. Afinal, como a própria palavra sugere, apesar de poder contar com pesquisas, dados e experiências, inovar é encarar o desconhecido, o que nunca foi proposto e que ainda não possui resultados positivos ou negativos

“Acho que praticar a inovação é sermos mais como crianças — abertos, disponíveis, dispostos. É querer ver o mundo como um eterno aprendiz”, define Lais. “Porque é errar, testar e errar de novo e, às vezes, o que você acertou num momento deixa de fazer sentido. As coisas mudam. Inovar em sociedade é entender que você está fazendo parte de algo é efêmero, que tem movimento, então nada vai ser muito absoluto a ponto de que uma ideia que você colocou dure uma eternidade”.

Outra dica é pensar sempre em uma fase experimental antes de adotar um novo produto ou serviço definitivamente. “É preciso ter disposição e coragem de colocar a mão na massa. Quando falamos de fazer pilotos e protótipos às vezes o que conta é a ideia do “feito é melhor do que o perfeito”. Se acha que isso vai funcionar, coloca em prática. Deu certo? Potencializa. A inovação tem que sair do campo das ideias e ir para o campo da prática”, explica a analista do Sebrae. “Inovar é analisar e escolher os problemas que você quer resolver e ampliar o seu repertório, ter o seu tempo de gestão das ideias, criar protótipos, e principalmente ter a coragem de colocá-los para funcionar, avaliá-los e manter o ciclo funcionando”.

Não é à toa que esse termo tem ganhado cada vez mais relevância no nosso dia a dia como tema de palestras, workshops e cursos. Hoje, para garantir a sobrevivência da sua empresa em um mercado totalmente competitivo, investir apenas em conhecimentos técnicos sobre gestão não é mais o suficiente — é preciso também inovação.

Com isso, surgem as dúvidas: ainda existem espaços para criar algo diferente das milhares de ideias já disponíveis? Será que tenho o “perfil” necessário para solucionar as demandas do meu público com criatividade? Já adiantamos que a resposta é “sim” para ambas as perguntas e, para facilitar, listamos três principais atitudes que você deve ter para ser mais inovador. Confira:

1. Entender quem você é

Apesar de parecer clichê, o primeiro passo na busca pela inovação é o autoconhecimento. Para Lais Glück, designer de produtos e sócia-fundadora da Glück, ser uma pessoa inovadora é ser alguém aberto, seguro, consciente da própria singularidade (com seus pontos fortes e falhos) e disposto a compreender um problema como oportunidade de transformação.

“Quando você chega nesse estado de não julgamento em relação ao seu indivíduo, à sua individualidade, aí sim você vai conseguir olhar para um sistema da mesma forma, com o estado de querer enxergar a solução e não as causas ou culpas em relação a isso. O autoconhecimento é muito importante. Você ter a habilidade de lidar com a vulnerabilidade, e não se sentir menor ou frágil por lidar com ela, vai ser a chave para conseguir ter uma prática inovadora”, explica.

E engana-se quem pensa que ser inovador é algo exclusivo para poucos. A analista do Sebrae Ana Carla de Oliveira defende o princípio de que somos todos criativos e potencialmente inovadores. “A gente está em vida o sentido da vida é ser humano e manter nossa própria vida, conforme conceito de autopoiese cunhado por Humberto Maturana e Francisco Varela, para designar a capacidade dos indivíduos de produzirem de modo contínuo a si próprios. É claro que existem, sim, pessoas mais criativas e mais inovadoras, mas todos nós podemos ser criativos e inovadores pela nossa essência”.

Lais também acredita que um dos motivos que levam os indivíduos a imaginarem nisso é que, muitas vezes, a inovação é associada apenas a ideias grandiosas. “A palavra ‘inovação’ te coloca numa armadilha em que você acaba ficando refém de algo incrível que você vai gerar. Se você espera ser o próximo Jeff Bezos ou o próximo Steve Jobs, já começa errado. Porque se você espera ser algum desses caras, eles já existiram, então você não vai estar inovando. Você tem que querer ser você mesmo”.

2. Saber identificar (e resolver) problemas

Geralmente a inovação acontece com a resolução de problemas. Sendo assim, analise as dores do seu público consumidor e tente propor soluções criativas para saná-las. Como? Associando informações e experiências.

“Todo conhecimento que você adquire aumenta a sua capacidade de conectar diferentes conceitos e gerar novas ideias”, explica Ana Carla. Quando você amplia esse conhecimento, aprofundando aquilo que é mais importante pode surgir um novo olhar e ação para a solução de problemas que você ainda não havia imaginado”.

Buscar novas referências para ter inspirações constantemente é uma das formas mais eficientes de se formar essas ligações. “A gente precisa ampliar o repertório daquilo que vê, daquilo que faz. Ler bons livros, assistir filmes bacanas, estar em contato com a natureza, fazer cursos e atividades diferentes do que se está habituado, refletir durante um tempo sem fazer nada. São nesses momentos que vêm os insights”, recomenda a analista.

3. Colocar suas ideias em prática

Por último, ter um comportamento inovador requer curiosidade e coragem. Afinal, como a própria palavra sugere, apesar de poder contar com pesquisas, dados e experiências, inovar é encarar o desconhecido, o que nunca foi proposto e que ainda não possui resultados positivos ou negativos

“Acho que praticar a inovação é sermos mais como crianças — abertos, disponíveis, dispostos. É querer ver o mundo como um eterno aprendiz”, define Lais. “Porque é errar, testar e errar de novo e, às vezes, o que você acertou num momento deixa de fazer sentido. As coisas mudam. Inovar em sociedade é entender que você está fazendo parte de algo é efêmero, que tem movimento, então nada vai ser muito absoluto a ponto de que uma ideia que você colocou dure uma eternidade”.

Outra dica é pensar sempre em uma fase experimental antes de adotar um novo produto ou serviço definitivamente. “É preciso ter disposição e coragem de colocar a mão na massa. Quando falamos de fazer pilotos e protótipos às vezes o que conta é a ideia do “feito é melhor do que o perfeito”. Se acha que isso vai funcionar, coloca em prática. Deu certo? Potencializa. A inovação tem que sair do campo das ideias e ir para o campo da prática”, explica a analista do Sebrae. “Inovar é analisar e escolher os problemas que você quer resolver e ampliar o seu repertório, ter o seu tempo de gestão das ideias, criar protótipos, e principalmente ter a coragem de colocá-los para funcionar, avaliá-los e manter o ciclo funcionando”.


Continuar Lendo

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.






Deixe um comentário