Dicas de Empreendedorismo

Como agir na crise (parte 4)

6) Pequenas empresas exportadoras:

Se por um lado a recessão mundial reduz mercados, por outro o aumento do dólar torna os produtos brasileiros mais competitivos (aumenta a rentabilidade do exportador). Se a empresa importa parte dos produtos para remanufaturar e exportar, é importante verificar se não há possibilidade de substituição por equivalentes nacionais. As empresas
que exportam para o eixo USA-Europa serão afetadas negativamente, porque é esperada uma estagnação econômica nesses países. Também serão afetadas negativamente as empresas que produzem e exportam commodities agrícolas ou metálicas (ex.: soja, aço, ferro, cobre etc.), devido à queda no preço dessas mercadorias no exterior. As empresas que exportam para o eixo Russia-China-Índia e países do seu entorno poderão se beneficiar, porque são mercados que continuarão crescendo acima da média mundial e porque obterão 20% mais reais por cada dólar exportado (supondo um novo patamar de equilíbrio próximo a R$ 2,00 / R$ 2,10).

O que fazer:
Analisar o mercado no qual ele atua e procurar o máximo de informação possível sobre a evolução da crise nesses mercados.
É fundamental controlar com atenção os custos fixos e verificar se é possível reduzir despesas. A venda para novos mercados, seja interno ou externo, também deve ser considerada.

7) Pequenas empresas importadoras ou que utilizam insumos importados:

Se a empresa importa produtos para venda direta ao consumidor no mercado interno ou utiliza insumos importados, poderá enfrentar aumento de custos nesses produtos ou insumos importados de até 20% (supondo um novo patamar de equilíbrio próximo a R$ 2,00 / R$ 2,10).

O que fazer:
Verificar se há possibilidade e se é vantajoso substituir por produtos nacionais. Se não há essa possibilidade, o empreendedor deve colocar uma lente de aumento em seus custos fixos. É fundamental saber como e onde se gasta cada centavo e cortar todas as despesas desnecessárias. Importante manter controle absoluto das despesas e receitas, assim como fazer  promoções para atrair clientes, mas é FUNDAMENTAL controlar as despesas e receitas para que as promoções não se tornem prejuízos.

8) Investir ou não investir?

Em momentos de ameaça de crise é natural que o empreendedor fique receoso e evite fazer investimentos. Por conta disso, muitos bons negócios se perdem. As palavras chaves são calma, pesquisa e planejamento. O empreendedor deve avaliar com atenção e cuidado o negócio que pretende investir ou ampliar. É decisivo buscar o máximo de informações possíveis e analisar com muito critério o potencial de vendas do produto ou serviço e tenha clareza de onde estão os consumidores. É preciso ter claro quanto a empresa terá de vender por mês para pagar os custos fixos e obter o lucro esperado. Não se deve esquecer o capital de giro necessário para manter o empreendimento funcionando até que ele comece a dar o retorno financeiro planejado.

 

PARA TODAS AS EMPRESAS:

Atenção nas vendas, definição de preços e obtenção de recursos:

1) Nas vendas

Por menor que seja o impacto recessivo, os primeiros efeitos são sentidos nas vendas. Para as micro e pequenas empresas, essa possibilidade é ruim, pois redução nas receitas de vendas significa dificuldades para cobrir despesas fixas, o que reduz a lucratividade e aumento do risco de inviabilizar o negócio.

O que fazer:
Vender é a prioridade, mais do que nunca. Portanto, seja criativo em todas as formas de atrair clientes e de influenciar as suas decisões de compra. As medidas governamentais podem favorecer o mercado interno, e os produtos nacionais tendem a ficar mais competitivos e atrativos.

2) Na definição de preços

A situação no Brasil não deixa de ser curiosa. A inflação é baixa, mas alguns preços podem sofrer variações muito além do que é demonstrado pelos índices inflacionários. Os custos de alguns insumos (como os importados) podem sofrer altas, mas repassar para o preço final dos produtos pode não ser uma operação automática, justamente pelo esfriamento da demanda. A conseqüência será a diminuição das margens de lucro.

O que fazer:
Mais do que nunca, esse momento exige de cada empresário fazer escolhas conscientes, e a gestão de gastos pode ser a melhor saída. Considere também, se possível, a substituição de produtos importados por produtos nacionais.

3) Na obtenção de recursos

Na estrutura econômica atual, todas as operações são interligadas, de um jeito ou de outro, entre os agentes financeiros. O dinheiro negociado por um banco não provém apenas de seus clientes depositantes, mas também de outros bancos, e numa crise de confiança, como é a situação atual, o crédito entre os agentes financeiros fica muito prejudicado, o efeito imediato é a escassez de crédito para o pequeno tomador, incluso aqui os pequenos negócios. A pequena empresa que utiliza freqüentemente operações de crédito com bancos terá dificuldades em negociar empréstimos.

O que fazer:
Seja para investimento fixo ou para capital de giro, os recursos da micro e pequena empresa provêm somente de duas fontes: dos proprietários ou de terceiros. Principalmente para financiar o capital de giro, é importante lembrar que capitais de terceiros não significam apenas de bancos. Fornecedores e clientes são excelentes fontes de capital de giro e normalmente, muito mais barato. Neste caso, a regra é comprar, vender e depois de receber dos clientes, pagar aos fornecedores. Assim, o estoque não precisa ser financiado com dinheiro próprio ou de banco, pode ser dos fornecedores, se comprar a prazo. O segredo é comprar
lotes menores, reduzindo ao máximo o tempo em que as mercadorias ficam paradas esperando serem vendidas. Também vender à vista ou até receber antecipado dos clientes são ótimas alternativas, principalmente para quem produz sob encomenda ou mesmo os prestadores de serviços. O valor das mercadorias paradas em estoque e o valor das contas a receber de clientes formam parte do capital de giro, que deve virar novamente moeda corrente antes da empresa precisar para cobrir as contas a pagar. O segredo é administrar inteligentemente o fluxo de caixa e não permitir em nenhum momento saldos negativos que exijam crédito bancário. Mas se acontecer, acredite em seu poder de negociação com seus fornecedores, retardar pagamentos de forma negociada pode ser a melhor alternativa para corrigir buracos no fluxo de caixa.

 

COMO AGIR NA CRISE

• Vender é prioridade. Procure alternativas para atrair novos clientes e fidelizar os já existentes;
• Tenha sobre absoluto controle suas despesas e receitas;
• Atenção aos custos fixos. Localize e corte todas as despesas desnecessárias;
• Converse com seus funcionários e peça sugestões para diminuir despesas;
• Olho no estoque, veja se ele não cresce com “produtos encalhados”;
• Analise o potencial de venda de seus produtos e aposte nos que possuem maior índice de vendas e boa rentabilidade;
• Tente negociar maior prazo de pagamento com seus fornecedores de forma a receber suas vendas antes de ter de pagar os fornecedores;
• Evite contrair dívidas, principalmente em moeda estrangeira;
• Não dependa nunca de apenas um ou dois grandes clientes;
• Nunca faça um investimento sem antes obter o máximo de informações, analisar o potencial do mercado consumidor, o nível de vendas para o retorno e o capital de giro necessário para manter o negócio até que ele comece a dar retorno;
• Evite demitir funcionários. Só o faça se for muito necessário. Você vai precisar de funcionários treinados para enfrentar eventuais dificuldades;
• Procure ganhar produtividade e competitividade, verifique seus preços, margens, custos fixos, processos produtivos. Veja se há algo a ser melhorado;
• Mantenha-se informado sobre os desdobramentos da crise, procure entender como ela deve impactar em seus principais clientes;
• Atenção às medidas anunciadas pelo governo, tente entender como elas impactarão no seu negócio. Participe das reuniões em sua entidade empresarial para entender o que acontece com o seu setor de atuação;
• Esteja sempre aberto às mudanças, seja de produtos, processos internos e mercados;
• Fique atento às novas oportunidades, elas sempre surgem em momentos de crise;
• Procure melhorar seus conhecimentos de gestão. Quem administra melhor enfrenta menos dificuldades nos momentos difíceis. O Sebrae pode ajudar o empreendedor nisso.

 

Fonte: Sebrae/SP
Enviado por Marli Sanches (Sebrae/MS)

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.







Comentários

  1. claudia disse:

    Boa noite, meu nome é Cláudia Franco e sou gerente comercial de uma ótica de médio porte.
    Temos uma boa estabilidade financeira e tivemos um crescimento record no ano de 2008 de 60%.
    Esse ano já acumulamos uma queda no crescimento por volta de 12% em relação ao mesmo período do ano passado. Tenho procurado me associar a divulgação mútua , a que parceiros de outros comércios divulgam suas marcas de maneira gratuita. Qual a sugestão que vc pode me dar para levantar o crescimento da loja pelo menos em 15% ?
    Fico no aguardo de uma resposta

    Muito grata
    Cláudia Franco

    • Laerte Morais disse:

      Olá Cláudia, Bom Dia!
      Seria interessante você estar buscando a ajuda de um de nossos consultores.
      Além dessa sua dúvida, outras informações e sugestões necessárias para o seu negócio serão esclarecidas.
      Disponibilizamos o serviço de consultoria pelo telefone: 0800 570 0800.
      Aguardamos o seu retorno.
      Obrigado!
      Laerte Morais




Deixe seu Comentário