Empreendedorismo

15 julho, 2020 • Empreendedorismo

Com um dos maiores desafios pela frente, setor da educação conta com protocolos para a retomada segura

Há cerca de cinco meses, escolas do mundo todo começaram a fechar e suspender as atividades presenciais como medida de conter a propagação do coronavírus, causador da pandemia de Covid-19.

De uma hora para outra, mais de 1,5 bilhão de alunos (90% da população estudantil, de acordo com relatório do Banco Mundial) e 60,3 milhões de professores de 190 países, além dos pais e responsáveis, se viram diante de uma realidade nunca antes presenciada.

Fechar as escolas, além de proteger crianças e jovens, reduz as chances de que eles se tornarem vetores do vírus para sua família e comunidade, sobretudo para os idosos e demais grupos de risco.

No entanto, nas últimas semanas, cerca de 65 países anunciaram a reabertura de estabelecimentos de ensino de forma parcial ou total, de acordo com a UNESCO, e o Brasil é um deles.

Com o intuito de ajudar os empresários do setor, separamos algumas dicas para tornar o estabelecimento/serviço mais seguro para todos nessa retomada das atividades.

Higiene e sanitização

Antes do reinício das aulas, é fundamental dar uma atenção especial à limpeza e higienização em todos os espaços físicos da escola, desde locais que costumam ter intenso fluxo de pessoas, como biblioteca e secretaria, até aquelas áreas de acesso mais restrito, como a sala dos professores.

Além do chão e das paredes, é importante não esquecer dos corrimões, maçanetas, bancadas e outras superfícies de contato, além de mesas, carteiras, armários e objetos como telefones e computadores.

Será importante disponibilizar mais locais com água e sabão, para higiene das mãos, além de álcool 70%.

Dever-se-á priorizar a ventilação natural, mantendo janelas e portas abertas. Se isso não for possível, atentar para que a limpeza do filtro do ar condicionado seja feita com bastante frequência.

Parquinhos e pátios devem ser desativados ou usados por meio de agendamento.

Desafios e comprometimento

Por trabalhar com crianças e adolescentes, a educação tem um dos maiores desafios pela frente: tanto no incentivo ao uso de máscaras de maneira correta quanto na conscientização de que não se deve tocar olhar, bocas e nariz antes de higienizar as mãos. Para isso, toda a comunidade escolar deve estar comprometida, começando pelos pais, que devem treinar com os filhos em casa o uso da máscara antes do retorno às aulas, por exemplo.

Medidas de caráter pedagógico

Além das medidas práticas já citadas, as escolas terão que adotar também medidas de caráter pedagógico, como propor um novo calendário escolar, reduzindo as horas de atividades presenciais, dando preferência para o modelo misto do processo de ensino-aprendizagem, considerando sempre as especificadas da escola, os diferentes níveis e modalidades de ensino. Além disso, o novo calendário deverá obedecer às orientações dos órgãos de ensino e de saúde.

Será fundamental também realizar uma avaliação diagnóstica dos estudantes logo que retornem à escola e pensar em estratégia de recuperação e revisão do planejamento do ensino, priorizando os conteúdos que possam ser trabalhados nos formatos presencial e a distância e que sejam significativos para os estudantes.

Essas são só algumas dicas gerais para garantir o mínimo de segurança no retorno às aulas. No entanto é fundamental que os donos e diretores de escola fiquem atentos às legislações locais e às determinações do Ministério da Saúde e demais órgãos competentes. Além disso, existem diversas outras medidas que precisam ser observadas. Aqui você se cadastra para receber o conteúdo na íntegra. Aproveite, é gratuito.

Há cerca de cinco meses, escolas do mundo todo começaram a fechar e suspender as atividades presenciais como medida de conter a propagação do coronavírus, causador da pandemia de Covid-19.

De uma hora para outra, mais de 1,5 bilhão de alunos (90% da população estudantil, de acordo com relatório do Banco Mundial) e 60,3 milhões de professores de 190 países, além dos pais e responsáveis, se viram diante de uma realidade nunca antes presenciada.

Fechar as escolas, além de proteger crianças e jovens, reduz as chances de que eles se tornarem vetores do vírus para sua família e comunidade, sobretudo para os idosos e demais grupos de risco.

No entanto, nas últimas semanas, cerca de 65 países anunciaram a reabertura de estabelecimentos de ensino de forma parcial ou total, de acordo com a UNESCO, e o Brasil é um deles.

Com o intuito de ajudar os empresários do setor, separamos algumas dicas para tornar o estabelecimento/serviço mais seguro para todos nessa retomada das atividades.

Higiene e sanitização

Antes do reinício das aulas, é fundamental dar uma atenção especial à limpeza e higienização em todos os espaços físicos da escola, desde locais que costumam ter intenso fluxo de pessoas, como biblioteca e secretaria, até aquelas áreas de acesso mais restrito, como a sala dos professores.

Além do chão e das paredes, é importante não esquecer dos corrimões, maçanetas, bancadas e outras superfícies de contato, além de mesas, carteiras, armários e objetos como telefones e computadores.

Será importante disponibilizar mais locais com água e sabão, para higiene das mãos, além de álcool 70%.

Dever-se-á priorizar a ventilação natural, mantendo janelas e portas abertas. Se isso não for possível, atentar para que a limpeza do filtro do ar condicionado seja feita com bastante frequência.

Parquinhos e pátios devem ser desativados ou usados por meio de agendamento.

Desafios e comprometimento

Por trabalhar com crianças e adolescentes, a educação tem um dos maiores desafios pela frente: tanto no incentivo ao uso de máscaras de maneira correta quanto na conscientização de que não se deve tocar olhar, bocas e nariz antes de higienizar as mãos. Para isso, toda a comunidade escolar deve estar comprometida, começando pelos pais, que devem treinar com os filhos em casa o uso da máscara antes do retorno às aulas, por exemplo.

Medidas de caráter pedagógico

Além das medidas práticas já citadas, as escolas terão que adotar também medidas de caráter pedagógico, como propor um novo calendário escolar, reduzindo as horas de atividades presenciais, dando preferência para o modelo misto do processo de ensino-aprendizagem, considerando sempre as especificadas da escola, os diferentes níveis e modalidades de ensino. Além disso, o novo calendário deverá obedecer às orientações dos órgãos de ensino e de saúde.

Será fundamental também realizar uma avaliação diagnóstica dos estudantes logo que retornem à escola e pensar em estratégia de recuperação e revisão do planejamento do ensino, priorizando os conteúdos que possam ser trabalhados nos formatos presencial e a distância e que sejam significativos para os estudantes.

Essas são só algumas dicas gerais para garantir o mínimo de segurança no retorno às aulas. No entanto é fundamental que os donos e diretores de escola fiquem atentos às legislações locais e às determinações do Ministério da Saúde e demais órgãos competentes. Além disso, existem diversas outras medidas que precisam ser observadas. Aqui você se cadastra para receber o conteúdo na íntegra. Aproveite, é gratuito.


Continuar Lendo

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.






Deixe um comentário