Empreendedorismo

31 julho, 2019 • Empreendedorismo

Exportação: grande negócio para micros e pequenas empresas

O momento de exportar produtos é um passo muito importante para uma empresa, afinal, quando um negócio entra no mercado internacional, os lucros se expandem, a concorrência muda e o empreendimento alcança um novo patamar de oportunidades de negócios.

No entanto, para ser um exportador de sucesso, ter um produto de alta qualidade e com preço atrativo não é o bastante. É preciso passar por uma série de burocracias que, no primeiro momento, podem assustar devido ao risco de gerar problemas fiscais ou operacionais para a empresa. Neste post, conversamos com vários especialistas no assunto para te mostrar que não há o que temer quando sua empresa está pronta para conquistar novos mercados.

Quais os maiores medos dos empreendedores?

Como já comentamos, o medo da burocracia envolvida no processo de exportação é um dos principais fatores que impedem os empresários de levarem seus produtos para o exterior. E de acordo com Antônio Carlos Dorsa, monitor extensionista da PEIEX (Programa de Qualificação para a Exportação), esse receio vem da desinformação.

“Primeiro há a falta de conhecimento e de informações sobre exportação, seus trâmites e a forma de prospectar em seu mercado externo ‘ideal’, onde encaixaria melhor seu produto. Em segundo lugar, falta entender os benefícios da exportação, a presença em novos mercados, a diversificação da carteira de clientes, a importância de se ter uma boa alternativa em tempos de crise, a ampliação de seus diferenciais competitivos, a diminuição da dependência do mercado interno, entre outros benefícios”, comenta.

Já Nathália Alves, coordenadora do Centro Internacional de Negócios do IEL (Instituto Euvaldo Lodi), destaca que superado o medo da burocracia, quando o empresário se envolve no processo de exportação, a grande quantidade de papéis exigidos pode se tornar um problema real.

“Providenciar os documentos que são necessários antes do embarque de um pedido, ou mesmo para liberação do mesmo é um ponto que merece atenção. Há os prazos para obtenção de alguns registros federais e/ou estaduais para autorizar a exportação ou importação de um determinado produto, e algumas licenças levam cerca de oito meses para serem obtidas”, observa.

Exportação não é exclusividade das grandes empresas

Segundo Antônio Carlos Dorsa, os pequenos empresários também podem (e devem) considerar a exportação como estratégia para alavancar seus negócios. “Empresas de qualquer tamanho que produzem produtos com valor agregado, ou seja, produtos que envolvam em seu processo de produção a sustentabilidade, a valorização da matéria-prima regional, entre outros fatores estão aptas à exportação”, explica.

Pretende exportar mas, não sabe por onde começar?

Existem soluções para as empresas que estão estudando a exportação. Um exemplo é o PEIEX (Programa de Qualificação para a Exportação), um programa que facilita o processo de exportação de produtos de forma segura e planejada.

Entre às exigências para participar da iniciativa estão: ter CNPJ ativo, ter produto exportável e ter condições de aumentar sua produção ou dedicar parte dela para atender clientes internacionais. Também precisa ter a possibilidade de adaptar seus produtos, caso os clientes internacionais solicitem, e tenha a perspectiva de iniciar suas exportações em até dois anos.

O atendimento oferecido pelo PEIEX consiste em uma mentoria de capacitação e, ao final do atendimento, a entrega de um plano de exportação para que a empresa possa iniciar os procedimentos por conta própria. Participando do programa, é possível ter acesso à rodadas de negócios e participar de feiras internacionais, onde as empresas podem divulgar seus produtos, conhecer compradores e futuros parceiros.

A FIEMS, por meio do Centro Internacional de Negócios do IEL (Instituto Euvaldo Lodi), também oferece consultorias, cursos, eventos e palestras para empresas que têm interesse em exportar.

“Na área de inteligência comercial, é feito o planejamento para atuação no mercado externo. Desenvolvemos estudos para identificarmos os mercados mais atrativos. Já na consultoria, preparamos a empresa para que esteja habilitada para realizar operações de comércio exterior no âmbito federal, estadual, além de preparamos toda a documentação jurídica e também cambial e comercial para a segurança das operações de comércio exterior”, explica Nathália Alves, coordenadora do Centro.

O serviço contempla também a emissão de documentos para que a exportação seja possível, como: certificado de origem, ATA Carnet, Declarações de certificados de Livre Venda, entre outros.

Case de sucesso

A Rio Pardo Proteína Vegetal, empresa de Sidrolândia, exporta o Farelo Concentrado Proteico (SPC) para o Chile, Equador, Inglaterra, Noruega, entre outros países desde novembro de 2017.

De acordo com o analista financeiro Eric Fernandes, a maior dificuldade encontrada no começo foi a burocracia. “Não é algo simples de se fazer, há cadastros Estaduais e Federais, há uma extensa lista de documentação que a gente teve que levantar”, explica.

O objetivo da Rio Pardo sempre foi o mercado internacional, pois, apesar de oferecer o SPC que não é um produto novo, o processo de extração desenvolvido pela empresa é inovador e isso é um fator que os diferencia da concorrência.

A Rio Pardo contou com o auxílio do CIN (Centro Internacional de Negócios) do IEL para conseguir a emissão do certificado de origem, que é a documentação que atesta a qualidade e origem do produto.

O momento de exportar produtos é um passo muito importante para uma empresa, afinal, quando um negócio entra no mercado internacional, os lucros se expandem, a concorrência muda e o empreendimento alcança um novo patamar de oportunidades de negócios.

No entanto, para ser um exportador de sucesso, ter um produto de alta qualidade e com preço atrativo não é o bastante. É preciso passar por uma série de burocracias que, no primeiro momento, podem assustar devido ao risco de gerar problemas fiscais ou operacionais para a empresa. Neste post, conversamos com vários especialistas no assunto para te mostrar que não há o que temer quando sua empresa está pronta para conquistar novos mercados.

Quais os maiores medos dos empreendedores?

Como já comentamos, o medo da burocracia envolvida no processo de exportação é um dos principais fatores que impedem os empresários de levarem seus produtos para o exterior. E de acordo com Antônio Carlos Dorsa, monitor extensionista da PEIEX (Programa de Qualificação para a Exportação), esse receio vem da desinformação.

“Primeiro há a falta de conhecimento e de informações sobre exportação, seus trâmites e a forma de prospectar em seu mercado externo ‘ideal’, onde encaixaria melhor seu produto. Em segundo lugar, falta entender os benefícios da exportação, a presença em novos mercados, a diversificação da carteira de clientes, a importância de se ter uma boa alternativa em tempos de crise, a ampliação de seus diferenciais competitivos, a diminuição da dependência do mercado interno, entre outros benefícios”, comenta.

Já Nathália Alves, coordenadora do Centro Internacional de Negócios do IEL (Instituto Euvaldo Lodi), destaca que superado o medo da burocracia, quando o empresário se envolve no processo de exportação, a grande quantidade de papéis exigidos pode se tornar um problema real.

“Providenciar os documentos que são necessários antes do embarque de um pedido, ou mesmo para liberação do mesmo é um ponto que merece atenção. Há os prazos para obtenção de alguns registros federais e/ou estaduais para autorizar a exportação ou importação de um determinado produto, e algumas licenças levam cerca de oito meses para serem obtidas”, observa.

Exportação não é exclusividade das grandes empresas

Segundo Antônio Carlos Dorsa, os pequenos empresários também podem (e devem) considerar a exportação como estratégia para alavancar seus negócios. “Empresas de qualquer tamanho que produzem produtos com valor agregado, ou seja, produtos que envolvam em seu processo de produção a sustentabilidade, a valorização da matéria-prima regional, entre outros fatores estão aptas à exportação”, explica.

Pretende exportar mas, não sabe por onde começar?

Existem soluções para as empresas que estão estudando a exportação. Um exemplo é o PEIEX (Programa de Qualificação para a Exportação), um programa que facilita o processo de exportação de produtos de forma segura e planejada.

Entre às exigências para participar da iniciativa estão: ter CNPJ ativo, ter produto exportável e ter condições de aumentar sua produção ou dedicar parte dela para atender clientes internacionais. Também precisa ter a possibilidade de adaptar seus produtos, caso os clientes internacionais solicitem, e tenha a perspectiva de iniciar suas exportações em até dois anos.

O atendimento oferecido pelo PEIEX consiste em uma mentoria de capacitação e, ao final do atendimento, a entrega de um plano de exportação para que a empresa possa iniciar os procedimentos por conta própria. Participando do programa, é possível ter acesso à rodadas de negócios e participar de feiras internacionais, onde as empresas podem divulgar seus produtos, conhecer compradores e futuros parceiros.

A FIEMS, por meio do Centro Internacional de Negócios do IEL (Instituto Euvaldo Lodi), também oferece consultorias, cursos, eventos e palestras para empresas que têm interesse em exportar.

“Na área de inteligência comercial, é feito o planejamento para atuação no mercado externo. Desenvolvemos estudos para identificarmos os mercados mais atrativos. Já na consultoria, preparamos a empresa para que esteja habilitada para realizar operações de comércio exterior no âmbito federal, estadual, além de preparamos toda a documentação jurídica e também cambial e comercial para a segurança das operações de comércio exterior”, explica Nathália Alves, coordenadora do Centro.

O serviço contempla também a emissão de documentos para que a exportação seja possível, como: certificado de origem, ATA Carnet, Declarações de certificados de Livre Venda, entre outros.

Case de sucesso

A Rio Pardo Proteína Vegetal, empresa de Sidrolândia, exporta o Farelo Concentrado Proteico (SPC) para o Chile, Equador, Inglaterra, Noruega, entre outros países desde novembro de 2017.

De acordo com o analista financeiro Eric Fernandes, a maior dificuldade encontrada no começo foi a burocracia. “Não é algo simples de se fazer, há cadastros Estaduais e Federais, há uma extensa lista de documentação que a gente teve que levantar”, explica.

O objetivo da Rio Pardo sempre foi o mercado internacional, pois, apesar de oferecer o SPC que não é um produto novo, o processo de extração desenvolvido pela empresa é inovador e isso é um fator que os diferencia da concorrência.

A Rio Pardo contou com o auxílio do CIN (Centro Internacional de Negócios) do IEL para conseguir a emissão do certificado de origem, que é a documentação que atesta a qualidade e origem do produto.


Continuar Lendo

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.






Deixe um comentário


ankara escort çankaya escort ankara escort çankaya escort escort ankara çankaya escort escort bayan çankaya istanbul rus escort eryaman escort escort bayan ankara ankara escort kızılay escort istanbul escort ankara escort ankara rus escort escort çankaya ankara escort bayan istanbul rus Escort atasehir Escort beylikduzu Escort Ankara Escort malatya Escort kuşadası Escort gaziantep Escort izmir Escort