Inovação

14 março, 2018 • Inovação

Energia solar: economia para o bolso e para o meio ambiente

Com mais um reajuste na conta de energia elétrica previsto para 2018, pensar em fontes renováveis de energia deixou de ser uma preocupação apenas com o meio ambiente e se tornou uma necessidade para quem precisa economizar. Afinal, por que não investir em energia solar?

Para entender melhor este mercado, levamos esta questão a Rodolpho Caesar Mangialardo, gerente do Senai Empresa, e a Christian Weiss, da empresa Peon,  de inovação tecnológica e ambiental, para trazer mais informações de como a energia solar pode ser uma alternativa sustentável e econômica para o seu negócio.

É possível ter energia solar em qualquer estabelecimento?

A energia solar tem ficado cada vez mais popular, tanto em estabelecimentos comerciais como em residências. Christian conta que a tecnologia das placas solares está mais acessível. “Os microempresários estão começando a descobrir a rentabilidade da instalação da energia fotovoltaica e estão economizando na conta de energia elétrica. Para fazer parte desse grupo, é necessário entrar em contato com uma empresa especializada, passar o consumo médio dos últimos 12 meses e aguardar o projeto e a visita técnica”, explica. Este é o procedimento que a Peon realiza.

Mas será que esse investimento é para qualquer um? Rodolpho informa que o Senai Empresa dá apoio sobre a viabilidade do investimento em energia solar. “Foi desenvolvido um simulador pela equipe do Senai Empresa MS, com o qual podemos avaliar além da indicação de viabilidade, os retornos financeiros sobre o investimento e uma simulação financiamento via FCO (Banco do Brasil) para Pessoa Jurídica”, esclarece.

Decidi fazer a transição para a energia solar: E agora?

Para Rodolpho, depois que a decisão é tomada, a empresa deve procurar implantar o sistema com uma empresa ou uma consultoria que lhe dê todo o apoio necessário durante o procedimento.

Além de ter o processo bem conduzido, Christian reforça a importância de ter equipamentos de qualidade. “Os produtos – as placas solares, os inversores, os disjuntores, o cabeamento, entre outros – devem estar certificados pelo INMETRO. Isto garante um produto de extrema qualidade”.

Além disso, o projeto inicial deve ser feito perante a Distribuidora de Energia Elétrica, e a empresa precisa estar registrada e ter um profissional registrado no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) para realizar esses serviços e elaborar a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) correspondente.

Benefícios da energia solar para o seu negócio

Que é boa para o meio ambiente, é indiscutível: a energia solar é uma fonte de energia limpa e renovável, que causa impacto ambiental muito baixo. Mas, além de fazer bem para a natureza, ela também faz bem para a saúde do seu negócio, reduzindo o seu custo e podendo tornar seus preços mais competitivos, como lembra Rodolpho. E a preocupação com o meio ambiente também pode auxiliar no marketing da sua empresa.

Os valores a serem economizados podem variar de empresa para empresa, mas Christian afirma que, em média, o retorno do investimento se dá entre 4 e 5 anos e, depois desse período, a garantia é de 25 a 30 anos de energia gratuita, que é, em média, a vida útil das placas solares. O diretor da Peon também lembra que o investimento em placas fotovoltaicas valoriza o imóvel, mas que também podem ser retiradas e levadas para serem instaladas em outro local.

Depois da implantação, o que fazer?

O acompanhamento depois da implantação é importante para o pagamento correto das taxas. “É preciso observar as notas que a concessionária estampa na fatura com o consumo mensal de energia elétrica demandada pela unidade consumidora e a geração de energia elétrica realizada pela planta solar, sendo a diferença dessa operação o valor a ser pago pelo empresário. É possível, também, acompanhar diariamente a geração de energia elétrica pela planta solar pelo do software disponibilizado pelo fornecedor dos inversores”, explica Rodolpho.

Junto com esse acompanhamento, é preciso dar manutenção aos equipamentos – e Rodolpho garante que é simples: deve-se borrifar água nas placas, esfregando levemente com um pano macio para retirar o excesso da poeira acumulada, de fezes de pássaros e das partículas em suspensão devido aos efeitos da poluição.

“A periodicidade da limpeza vai depender das condições climáticas. Quanto mais poeira e poluição no ar, maior deverá ser a frequência da limpeza, enquanto que no período chuvoso a frequência poderá ser reduzida porque a própria natureza toma conta dessa tarefa”, comenta.

Para quem se interessou em investir na energia solar, saiba que existem linhas de crédito específicas para auxiliar a sua empresa a se tornar mais sustentável. Para Pessoa Jurídica, o Banco do Brasil pode financiar através do FCO; e existe ainda o BNDES. Mas, para Pessoa Física, o interessado deverá negociar diretamente com o seu gerente de carteira do banco de seu relacionamento.

Com mais um reajuste na conta de energia elétrica previsto para 2018, pensar em fontes renováveis de energia deixou de ser uma preocupação apenas com o meio ambiente e se tornou uma necessidade para quem precisa economizar. Afinal, por que não investir em energia solar?

Para entender melhor este mercado, levamos esta questão a Rodolpho Caesar Mangialardo, gerente do Senai Empresa, e a Christian Weiss, da empresa Peon,  de inovação tecnológica e ambiental, para trazer mais informações de como a energia solar pode ser uma alternativa sustentável e econômica para o seu negócio.

É possível ter energia solar em qualquer estabelecimento?

A energia solar tem ficado cada vez mais popular, tanto em estabelecimentos comerciais como em residências. Christian conta que a tecnologia das placas solares está mais acessível. “Os microempresários estão começando a descobrir a rentabilidade da instalação da energia fotovoltaica e estão economizando na conta de energia elétrica. Para fazer parte desse grupo, é necessário entrar em contato com uma empresa especializada, passar o consumo médio dos últimos 12 meses e aguardar o projeto e a visita técnica”, explica. Este é o procedimento que a Peon realiza.

Mas será que esse investimento é para qualquer um? Rodolpho informa que o Senai Empresa dá apoio sobre a viabilidade do investimento em energia solar. “Foi desenvolvido um simulador pela equipe do Senai Empresa MS, com o qual podemos avaliar além da indicação de viabilidade, os retornos financeiros sobre o investimento e uma simulação financiamento via FCO (Banco do Brasil) para Pessoa Jurídica”, esclarece.

Decidi fazer a transição para a energia solar: E agora?

Para Rodolpho, depois que a decisão é tomada, a empresa deve procurar implantar o sistema com uma empresa ou uma consultoria que lhe dê todo o apoio necessário durante o procedimento.

Além de ter o processo bem conduzido, Christian reforça a importância de ter equipamentos de qualidade. “Os produtos – as placas solares, os inversores, os disjuntores, o cabeamento, entre outros – devem estar certificados pelo INMETRO. Isto garante um produto de extrema qualidade”.

Além disso, o projeto inicial deve ser feito perante a Distribuidora de Energia Elétrica, e a empresa precisa estar registrada e ter um profissional registrado no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) para realizar esses serviços e elaborar a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) correspondente.

Benefícios da energia solar para o seu negócio

Que é boa para o meio ambiente, é indiscutível: a energia solar é uma fonte de energia limpa e renovável, que causa impacto ambiental muito baixo. Mas, além de fazer bem para a natureza, ela também faz bem para a saúde do seu negócio, reduzindo o seu custo e podendo tornar seus preços mais competitivos, como lembra Rodolpho. E a preocupação com o meio ambiente também pode auxiliar no marketing da sua empresa.

Os valores a serem economizados podem variar de empresa para empresa, mas Christian afirma que, em média, o retorno do investimento se dá entre 4 e 5 anos e, depois desse período, a garantia é de 25 a 30 anos de energia gratuita, que é, em média, a vida útil das placas solares. O diretor da Peon também lembra que o investimento em placas fotovoltaicas valoriza o imóvel, mas que também podem ser retiradas e levadas para serem instaladas em outro local.

Depois da implantação, o que fazer?

O acompanhamento depois da implantação é importante para o pagamento correto das taxas. “É preciso observar as notas que a concessionária estampa na fatura com o consumo mensal de energia elétrica demandada pela unidade consumidora e a geração de energia elétrica realizada pela planta solar, sendo a diferença dessa operação o valor a ser pago pelo empresário. É possível, também, acompanhar diariamente a geração de energia elétrica pela planta solar pelo do software disponibilizado pelo fornecedor dos inversores”, explica Rodolpho.

Junto com esse acompanhamento, é preciso dar manutenção aos equipamentos – e Rodolpho garante que é simples: deve-se borrifar água nas placas, esfregando levemente com um pano macio para retirar o excesso da poeira acumulada, de fezes de pássaros e das partículas em suspensão devido aos efeitos da poluição.

“A periodicidade da limpeza vai depender das condições climáticas. Quanto mais poeira e poluição no ar, maior deverá ser a frequência da limpeza, enquanto que no período chuvoso a frequência poderá ser reduzida porque a própria natureza toma conta dessa tarefa”, comenta.

Para quem se interessou em investir na energia solar, saiba que existem linhas de crédito específicas para auxiliar a sua empresa a se tornar mais sustentável. Para Pessoa Jurídica, o Banco do Brasil pode financiar através do FCO; e existe ainda o BNDES. Mas, para Pessoa Física, o interessado deverá negociar diretamente com o seu gerente de carteira do banco de seu relacionamento.


Continuar Lendo

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.









Deixe seu Comentário