Educação Empreendedora

O papel do professor na sociedade em transformação

Em uma velocidade cada vez mais assustadora, o mercado de trabalho se transforma. Os responsáveis? As novas tendências sociais e tecnológicas que são inseridas na nossa vida diariamente, desde a modernização no processo produtivo, aprimoramento do trabalho, surgimento de novas culturas organizacionais e até mesmo o desenvolvimento de certas habilidades, como criatividade, pensamento crítico e saber elaborar um plano de carreira.

Por isso, cada vez mais, crianças e jovens precisam ser educados para esse novo mercado, que está em constante construção. De acordo com o filósofo e professor Luciano Magalhães, o ser humano sempre foi ensinado para exercer uma função na sociedade, mas com o surgimento de novas profissões e as novas necessidades contemporâneas, não sabemos ao certo qual será a realidade que teremos daqui a alguns anos nem mesmo qual o perfil que será exigido do trabalhador.

Segundo o estudo “The Future of Jobs”, realizado em 2018 pelo Fórum Econômico Mundial, a previsão é de que 65% das crianças que estão no ensino primário atualmente estarão atuando em uma profissão no futuro que ainda não existe. E a importância de se atentar para essas novas demandas de mercado é papel fundamental dos professores.

O papel do empreendedorismo na educação

De acordo com Luciano, quando se fala em educar de forma empreendedora, muitas pessoas têm o senso comum de achar que se resume a criar uma empresa. “Na verdade, estamos falando de empreendedorismo do indivíduo, o que você pode fazer de diferente e contribuir para construção de um mundo melhor”, explica.

O Sebrae conta com vários eventos e programas voltados para este assunto, sendo um deles o Programa Nacional de Educação Empreendedora (PNEE). Criado em 2013, tem o objetivo de disseminar conteúdos relacionados ao empreendedorismo nos níveis básico, superior e profissional de ensino.

Com o programa, os professores são capacitados para ensinar aos alunos os preceitos básicos do empreendedorismo, como, por exemplo, cooperação, cidadania, ética e desenvolvimento no comportamento pessoal e profissional.

Ainda segundo Luciano, é importante que os professores atualmente eduquem da forma mais humanitária possível, visando o projeto de vida de cada aluno, em que o indivíduo consiga perceber a si mesmo e não se preocupar tanto com os resultados e sim com o processo de construção do todo.

“O papel do professor sempre foi ajudar a construir indivíduos, mas, atualmente, precisa ser de forma que eles possam educar os jovens a se conhecerem melhor. Assim, eles saberão onde podem melhorar e transformar a realidade que os cerca”, finaliza.

Ficou interessado pelo assunto? Participe do Seminário Futuro da Educação e do Trabalho que será realizado pelo Sebrae MS no dia 2 de julho. Clique no link, confira toda a programação do evento e inscreva-se.

Em uma velocidade cada vez mais assustadora, o mercado de trabalho se transforma. Os responsáveis? As novas tendências sociais e tecnológicas que são inseridas na nossa vida diariamente, desde a modernização no processo produtivo, aprimoramento do trabalho, surgimento de novas culturas organizacionais e até mesmo o desenvolvimento de certas habilidades, como criatividade, pensamento crítico e saber elaborar um plano de carreira.

Por isso, cada vez mais, crianças e jovens precisam ser educados para esse novo mercado, que está em constante construção. De acordo com o filósofo e professor Luciano Magalhães, o ser humano sempre foi ensinado para exercer uma função na sociedade, mas com o surgimento de novas profissões e as novas necessidades contemporâneas, não sabemos ao certo qual será a realidade que teremos daqui a alguns anos nem mesmo qual o perfil que será exigido do trabalhador.

Segundo o estudo “The Future of Jobs”, realizado em 2018 pelo Fórum Econômico Mundial, a previsão é de que 65% das crianças que estão no ensino primário atualmente estarão atuando em uma profissão no futuro que ainda não existe. E a importância de se atentar para essas novas demandas de mercado é papel fundamental dos professores.

O papel do empreendedorismo na educação

De acordo com Luciano, quando se fala em educar de forma empreendedora, muitas pessoas têm o senso comum de achar que se resume a criar uma empresa. “Na verdade, estamos falando de empreendedorismo do indivíduo, o que você pode fazer de diferente e contribuir para construção de um mundo melhor”, explica.

O Sebrae conta com vários eventos e programas voltados para este assunto, sendo um deles o Programa Nacional de Educação Empreendedora (PNEE). Criado em 2013, tem o objetivo de disseminar conteúdos relacionados ao empreendedorismo nos níveis básico, superior e profissional de ensino.

Com o programa, os professores são capacitados para ensinar aos alunos os preceitos básicos do empreendedorismo, como, por exemplo, cooperação, cidadania, ética e desenvolvimento no comportamento pessoal e profissional.

Ainda segundo Luciano, é importante que os professores atualmente eduquem da forma mais humanitária possível, visando o projeto de vida de cada aluno, em que o indivíduo consiga perceber a si mesmo e não se preocupar tanto com os resultados e sim com o processo de construção do todo.

“O papel do professor sempre foi ajudar a construir indivíduos, mas, atualmente, precisa ser de forma que eles possam educar os jovens a se conhecerem melhor. Assim, eles saberão onde podem melhorar e transformar a realidade que os cerca”, finaliza.

Ficou interessado pelo assunto? Participe do Seminário Futuro da Educação e do Trabalho que será realizado pelo Sebrae MS no dia 2 de julho. Clique no link, confira toda a programação do evento e inscreva-se.


Continuar Lendo

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.







Um Comentário

  1. […] forma no contexto educacional, já deve ter ouvido falar dela e de sua importância no processo de transformação da educação que estamos […]




Deixe seu Comentário