Empreendedorismo

06 novembro, 2020 • Empreendedorismo

Ser MEI é também ser vendedor

Ser um vendedor não é a primeira opção na lista de sonhos da maioria das pessoas. Mas saiba que, se você é empreendedor, antes de tudo, tem que ser também um vendedor e vender não só as suas ideias, mas vender de fato seu produto e seu serviço no dia a dia da empresa.

Isso porque, de acordo com Thiago Concer, reconhecido como o maior palestrante de vendas do Brasil, especialista em times de vendas e líder do movimento OSV – Orgulho de Ser Vendedor, o empreendedor individual precisa ter a consciência de que, no momento inicial do seu negócio ou nos momentos mais apertados, como esse que estamos passando, ele só poderá contar consigo mesmo e com a relação de confiança que for estabelecendo com seu público. “Venda é ligada à confiança, tanto da marca, do vendedor, como do produto”, explica Thiago.

Dessa forma, a melhor estratégia para ativar o processo de vendas é a aproximação com pessoas já conhecidas e que estejam em momentos que façam sentido com o seu negócio.

A partir disso, o foco passa a ser conseguir indicações (estratégia passiva) e expandir gradativamente o raio de busca (estratégia ativa), até chegar o momento do contato frio, que nada mais é do que prospectar pessoas que você não conhece e com quem não tem nenhum tipo de ligação.

“Dá para ganhar dinheiro com vendas, mas ganhar dinheiro com vendas não é pra qualquer um”

Concer atribui ao microempreendedor a necessidade de um comportamento genuinamente vendedor para alavancar as vendas e manter uma constância de crescimento. Um dos pilares mais simples e fundamentais do setor de vendas é que a prospecção torna a empresa conhecida e as pessoas preferem fazer negócios com quem conhecem. “A prospecção está ligada à atitude e é um trabalho que deve ser feito com consistência. Se não tem ofertas, não tem vendas”.

Para isso, existem algumas estratégias que podem auxiliar na hora de buscar um público qualificado, como o que denomina quadrante da prospecção, o caracol da prospecção e o círculo das vendas, que é a união dos dois primeiros.

Sobre estratégias práticas, afirma que as empresas que mais faturam não são necessariamente as melhores no que ofertam, mas as que tem os melhores modelos de vendas, citando o exemplo das grandes redes de fast food.

“O MEI é o gerente de todos os setores e fases da empresa e o que diferencia um trabalhador de um empreendedor, é saber como lidar com o risco. Não que se arriscar demais seja benéfico, mas ele vai sempre precisar se dedicar mais”, defende.

Principalmente nos primeiros anos de negócio, é importante que o MEI compreenda que cada segundo dedicado ao seu empreendimento contará pontos para ele no futuro. Seja com mais horas de trabalho ou investindo em cursos e treinamentos para aprimorar seus conhecimentos, essa movimentação será fundamental para alcançar resultados satisfatórios. “Existem duas maneiras de aprender: o tempo, que cada vez temos menos para tanta atividade, e os erros dos outros. Como se aprende com o erro dos outros? Estudando”, complementa.

As 4 etapas da grande evolução

Consciência, inconformismo, consistência e preparo. Concer aprofunda um pouco sobre essas 4 etapas para quem deseja mudar a realidade do seu negócio, tornando-o um empreendimento de sucesso.

“Desconforto frequente e foco intenso”. A palavra de ordem é desacomodar-se e o especialista chama a atenção para a necessidade da proatividade do empreendedor e, principalmente, da não-espera de um momento ideal para começar a aplicar as estratégias adequadas ao seu cenário. “Vendas é visitar, ofertar e ver se está funcionando. Tente facilitar o processo para ajudar o cliente e comece a fazer o que tiver que fazer, depois você vai arrumando no meio do caminho”, ressalta.

É importante ter em mente que o empreendedor vai passar por desafios para começar a estabelecer seu negócio, mas esses pilares vão fazê-lo estar acima da média.

Da mesma forma, Fred Rocha, idealizador do Bora Vender e especialista em varejo e consumo do cliente, complementa a questão levantada por Concer e explica que, por um longo período, o comércio foi passivo, mas que esse tempo acabou. “Temos que manter uma postura ativa. Quer ganhar dinheiro? Vai fazer prospecção. Quer ganhar mais dinheiro ainda? Vai fazer pós-venda”.

Com uma frase que, segundo ele, tem sido indispensável em todas as suas palestras e que o norteou em suas decisões enquanto empreendedor, finaliza nossa conversa deixando um conselho aos profissionais. “A gente só ganha dinheiro resolvendo problema dos outros. Ache o problema do seu cliente e o resolva”.

Ser um vendedor não é a primeira opção na lista de sonhos da maioria das pessoas. Mas saiba que, se você é empreendedor, antes de tudo, tem que ser também um vendedor e vender não só as suas ideias, mas vender de fato seu produto e seu serviço no dia a dia da empresa.

Isso porque, de acordo com Thiago Concer, reconhecido como o maior palestrante de vendas do Brasil, especialista em times de vendas e líder do movimento OSV – Orgulho de Ser Vendedor, o empreendedor individual precisa ter a consciência de que, no momento inicial do seu negócio ou nos momentos mais apertados, como esse que estamos passando, ele só poderá contar consigo mesmo e com a relação de confiança que for estabelecendo com seu público. “Venda é ligada à confiança, tanto da marca, do vendedor, como do produto”, explica Thiago.

Dessa forma, a melhor estratégia para ativar o processo de vendas é a aproximação com pessoas já conhecidas e que estejam em momentos que façam sentido com o seu negócio.

A partir disso, o foco passa a ser conseguir indicações (estratégia passiva) e expandir gradativamente o raio de busca (estratégia ativa), até chegar o momento do contato frio, que nada mais é do que prospectar pessoas que você não conhece e com quem não tem nenhum tipo de ligação.

“Dá para ganhar dinheiro com vendas, mas ganhar dinheiro com vendas não é pra qualquer um”

Concer atribui ao microempreendedor a necessidade de um comportamento genuinamente vendedor para alavancar as vendas e manter uma constância de crescimento. Um dos pilares mais simples e fundamentais do setor de vendas é que a prospecção torna a empresa conhecida e as pessoas preferem fazer negócios com quem conhecem. “A prospecção está ligada à atitude e é um trabalho que deve ser feito com consistência. Se não tem ofertas, não tem vendas”.

Para isso, existem algumas estratégias que podem auxiliar na hora de buscar um público qualificado, como o que denomina quadrante da prospecção, o caracol da prospecção e o círculo das vendas, que é a união dos dois primeiros.

Sobre estratégias práticas, afirma que as empresas que mais faturam não são necessariamente as melhores no que ofertam, mas as que tem os melhores modelos de vendas, citando o exemplo das grandes redes de fast food.

“O MEI é o gerente de todos os setores e fases da empresa e o que diferencia um trabalhador de um empreendedor, é saber como lidar com o risco. Não que se arriscar demais seja benéfico, mas ele vai sempre precisar se dedicar mais”, defende.

Principalmente nos primeiros anos de negócio, é importante que o MEI compreenda que cada segundo dedicado ao seu empreendimento contará pontos para ele no futuro. Seja com mais horas de trabalho ou investindo em cursos e treinamentos para aprimorar seus conhecimentos, essa movimentação será fundamental para alcançar resultados satisfatórios. “Existem duas maneiras de aprender: o tempo, que cada vez temos menos para tanta atividade, e os erros dos outros. Como se aprende com o erro dos outros? Estudando”, complementa.

As 4 etapas da grande evolução

Consciência, inconformismo, consistência e preparo. Concer aprofunda um pouco sobre essas 4 etapas para quem deseja mudar a realidade do seu negócio, tornando-o um empreendimento de sucesso.

“Desconforto frequente e foco intenso”. A palavra de ordem é desacomodar-se e o especialista chama a atenção para a necessidade da proatividade do empreendedor e, principalmente, da não-espera de um momento ideal para começar a aplicar as estratégias adequadas ao seu cenário. “Vendas é visitar, ofertar e ver se está funcionando. Tente facilitar o processo para ajudar o cliente e comece a fazer o que tiver que fazer, depois você vai arrumando no meio do caminho”, ressalta.

É importante ter em mente que o empreendedor vai passar por desafios para começar a estabelecer seu negócio, mas esses pilares vão fazê-lo estar acima da média.

Da mesma forma, Fred Rocha, idealizador do Bora Vender e especialista em varejo e consumo do cliente, complementa a questão levantada por Concer e explica que, por um longo período, o comércio foi passivo, mas que esse tempo acabou. “Temos que manter uma postura ativa. Quer ganhar dinheiro? Vai fazer prospecção. Quer ganhar mais dinheiro ainda? Vai fazer pós-venda”.

Com uma frase que, segundo ele, tem sido indispensável em todas as suas palestras e que o norteou em suas decisões enquanto empreendedor, finaliza nossa conversa deixando um conselho aos profissionais. “A gente só ganha dinheiro resolvendo problema dos outros. Ache o problema do seu cliente e o resolva”.


Continuar Lendo

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.






Deixe um comentário