Empreendedorismo

22 janeiro, 2020 • Empreendedorismo

O futuro é a liderança feminina

No Brasil, existem 24 milhões de empreendedoras e a tendência é que esse número aumente cada vez mais. Nota-se que as mulheres estão ocupando os cargos de chefia e, de acordo com a caçadora de tendências, Sabina Deweik, as empresas com liderança feminina registram 21% a mais de lucro do que as chefiadas por homens. 

Isso representa a mudança de uma era, antes dominada pelo superficialismo e pela aparência, e que agora passa a ser sensorial e autêntica. O paradigma de escassez não faz mais sentido no século da abundância e os negócios passam a tender para o colaborativo.

Vale lembrar que a revolução digital também influencia nesse cenário, já que altera o ritmo de trabalho, compra e construção de pensamentos por conta do excesso de informações e estímulos que recebemos no celular, notebook, smartwatches, entre outros. 

Sem contar que, em 2030, a geração Millennial – também conhecida como geração Y, que compreende os nascidos entre 1980 a 2003 – representarão 75% da força de trabalho mundial e que as vendas serão voltadas para a geração Z – nascidos até o início do ano 2010.

Sendo esses últimos mais pragmáticos e autênticos, 75% pagam a mais por produtos sustentáveis, 63% preferem marcas que apoiam causas e 60% querem que seus trabalhos possam gerar impactos positivos no mundo. Assim os negócios estão se reinventando para atribuir significado e sentido para a marca, trazendo inovações que gerem impacto social e não apenas focado em venda. 

Levando em consideração todos esses fatores nada melhor que valores femininos como compaixão, paciência, humildade, intuição, flexibilidade e empatia para que um empreendimento dê certo. já que o universo empreendedor passa a ser pensado e feito mais coletivamente.

A liderança feminina 

Como já dissemos, a presença de mulheres à frente de empreendimentos nunca foi tão significativa, e quando o assunto é a abertura de novos negócios, elas são maioria. De acordo com a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), são 15,4% de mulheres com empresas de menos de 3,5 anos contra 12,6% de homens. 

O índice se deve a uma crescente necessidade das mulheres terem outra fonte de renda e adquirir independência financeira, embora muitas já desempenhassem o papel de administradoras antes mesmo de terem seu próprio negócio. 

A habilidade de gestão é nata nas mulheres, assim como a resiliência, capacidade de aprender com tudo o que cruzar seu caminho e obstinação. E dentro de uma empresa, tais características são sinônimo de sucesso, já que as mulheres são naturalmente mais preparadas para lidar com diferentes perfis de pessoas de forma mais sensível e assertiva. 

Outro ponto importante à favor da liderança feminina é a predisposição que elas têm de saírem mais fortalecidas das experiências ruins e conseguir superar os desafios mais facilmente. Portanto empresas lideradas por mulheres serão cada vez mais comuns ao passo que modelos de negócio mais humanizados se mostram como uma forte tendência. 

Exemplos de liderança feminina

Margaret Thatcher – Ex-Primeira-ministra do Reino Unido

Gabrielle Bonheur Chanel – Mais conhecida como Coco Chanel, estilista francesa e fundadora da marca Chanel S.A. 

Cristina Junqueira – Co-criadora do Nubank

Fique de olho no Blog do Sebrae MS que logo mais postaremos alguns cases de sucesso de mulheres empreendedoras que revolucionaram suas vidas e o mercado.


No Brasil, existem 24 milhões de empreendedoras e a tendência é que esse número aumente cada vez mais. Nota-se que as mulheres estão ocupando os cargos de chefia e, de acordo com a caçadora de tendências, Sabina Deweik, as empresas com liderança feminina registram 21% a mais de lucro do que as chefiadas por homens. 

Isso representa a mudança de uma era, antes dominada pelo superficialismo e pela aparência, e que agora passa a ser sensorial e autêntica. O paradigma de escassez não faz mais sentido no século da abundância e os negócios passam a tender para o colaborativo.

Vale lembrar que a revolução digital também influencia nesse cenário, já que altera o ritmo de trabalho, compra e construção de pensamentos por conta do excesso de informações e estímulos que recebemos no celular, notebook, smartwatches, entre outros. 

Sem contar que, em 2030, a geração Millennial – também conhecida como geração Y, que compreende os nascidos entre 1980 a 2003 – representarão 75% da força de trabalho mundial e que as vendas serão voltadas para a geração Z – nascidos até o início do ano 2010.

Sendo esses últimos mais pragmáticos e autênticos, 75% pagam a mais por produtos sustentáveis, 63% preferem marcas que apoiam causas e 60% querem que seus trabalhos possam gerar impactos positivos no mundo. Assim os negócios estão se reinventando para atribuir significado e sentido para a marca, trazendo inovações que gerem impacto social e não apenas focado em venda. 

Levando em consideração todos esses fatores nada melhor que valores femininos como compaixão, paciência, humildade, intuição, flexibilidade e empatia para que um empreendimento dê certo. já que o universo empreendedor passa a ser pensado e feito mais coletivamente.

A liderança feminina 

Como já dissemos, a presença de mulheres à frente de empreendimentos nunca foi tão significativa, e quando o assunto é a abertura de novos negócios, elas são maioria. De acordo com a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), são 15,4% de mulheres com empresas de menos de 3,5 anos contra 12,6% de homens. 

O índice se deve a uma crescente necessidade das mulheres terem outra fonte de renda e adquirir independência financeira, embora muitas já desempenhassem o papel de administradoras antes mesmo de terem seu próprio negócio. 

A habilidade de gestão é nata nas mulheres, assim como a resiliência, capacidade de aprender com tudo o que cruzar seu caminho e obstinação. E dentro de uma empresa, tais características são sinônimo de sucesso, já que as mulheres são naturalmente mais preparadas para lidar com diferentes perfis de pessoas de forma mais sensível e assertiva. 

Outro ponto importante à favor da liderança feminina é a predisposição que elas têm de saírem mais fortalecidas das experiências ruins e conseguir superar os desafios mais facilmente. Portanto empresas lideradas por mulheres serão cada vez mais comuns ao passo que modelos de negócio mais humanizados se mostram como uma forte tendência. 

Exemplos de liderança feminina

Margaret Thatcher – Ex-Primeira-ministra do Reino Unido

Gabrielle Bonheur Chanel – Mais conhecida como Coco Chanel, estilista francesa e fundadora da marca Chanel S.A. 

Cristina Junqueira – Co-criadora do Nubank

Fique de olho no Blog do Sebrae MS que logo mais postaremos alguns cases de sucesso de mulheres empreendedoras que revolucionaram suas vidas e o mercado.



Continuar Lendo

Confira todos os conteúdos que o Sebrae MS disponibiliza para você!
Clique aqui e acesse diversos temas de empreendedorismo para guiar a sua jornada.






Deixe um comentário